Para que serve o teste de rodagem?

Serviço ajuda a identificar problemas na mola helicoidal

O teste de rodagem serve para encontrar diversos problemas em um veículo. Através da avaliação detalhada, o mecânico pode encontrar falhas mais graves ou não relatadas pelo proprietário do veículo. Além da mola helicoidal, o teste consegue identificar adversidades no sistema de suspensão, direção, freios, dentre outros.

A inspeção visual é mais um aspecto importante no processo. Ela permite checar se existem trincas ou ferrugem nas molas.

A peça é componente chave para a suspensão. As molas são responsáveis por absorver o impacto das irregularidades das vias. Caso o item não existisse, seria mais desconfortável fazer trajetos em automóveis, visto que o carro acompanharia as oscilações das ruas. 

Para entender o funcionamento, basta imaginar as molas de um tênis que são comprimidas  contra o chão conforme a pessoa anda.

Dentre os problemas que podem ser identificados estão: o arriamento da mola, batidas de elo, quebra e corrosão. É possível perceber estas avarias prestando atenção nos sinais do próprio veículo. Em geral, qualquer anormalidade nas molas helicoidais significa um carro mais baixo, que raspa em lombadas, por exemplo.

Os motivos do desgaste são excesso de peso ou o uso intenso e prolongado. Por isso, é preciso cautela na hora de passar por buracos, distribuir o peso das malas em uma viagem, fazer alinhamentos e balanceamentos. Além de, a qualquer sinal incomum, levar o veículo para fazer o teste de rodagem em uma mecânica de confiança.

Caso seja realmente constatado o problema nas molas, é necessário realizar a troca das peças. A negligência em relação aos infortúnios pode acarretar em gastos ainda maiores, como danos em outros componentes do sistema de suspensão. Ou até mesmo em acidentes, devido ao caráter essencial da mola. 

A realização do teste de rodagem permite ao mecânico identificar problemas em outras regiões. Confira:

Sistema de direção

O sistema é responsável pela conexão entre os comandos impostos no volante e os movimentos das rodas. Ele é composto pela coluna de direção, volante, caixa de direção, pinhão e cremalheira – nos carros de direção mecânica. Entre os sinais de problemas estão: vibrações, ruídos e folgas.  

Sistema de freio 

Os problemas mais comuns são: vibrações, ruídos e ineficiências na frenagem. O sistema de freio abrange o pedal, a alavanca, o disco de freio, tambor, pastilha, lona, pinça, sapata de freio, servo de freio, cilindro de roda, cilindro mestre, cabo de freio, tubulação e fluido.    

Sistema de transmissão 

O sistema de transmissão é o conjunto que leva a energia produzida pela combustão do motor até as rodas. As avarias são identificadas a partir de ruídos da transmissão e de rolamentos.  Formam o sistema:  a embreagem, conversor de torque, caixa de câmbio, eixo cardã, diferencial e semieixo.

Leia Mais
O carro mais caro do planeta