Descarte e venda de peças usadas: como tornar sua oficina mais sustentável

Em um momento de crise e esperança em um mundo mais verde, diferentes fins para autopeças podem ajudar mecânicas

O mundo parece caminhar para uma direção de maior sustentabilidade e preocupação com os danos das ações humanas na natureza. Nos Estados Unidos, projetos como o Green New Deal, plano de investimento visando o desenvolvimento sustentável, ganham mais apoio e influenciam políticas de governo.

A tônica, ao que tudo indica, será a mesma para as diversas áreas, bem como para a indústria automobilística e para as mecânicas. Esse é um momento para as oficinas olharem e  perceberem quais práticas podem ser melhoradas – o que a longo prazo pode representar aumento de lucro.

As ações podem começar mais simples. Como evitar o desperdício de copos de plástico, entregando copos não descartáveis a quem trabalha na empresa. Reservando os plásticos apenas aos clientes e visitas. 

A separação de lixo também é outro ponto essencial. Dividir os resíduos em plásticos, papéis, vidros,metais e orgânicos facilita o trabalho das cooperativas de reciclagem. Segundo o site da prefeitura da capital paulista, o serviço de coleta seletiva ocorre em 76% das vias da cidade, os pontos podem ser conferidos no site (https://www.capital.sp.gov.br/) . Caso a localidade da oficina não seja coberta, o lixo pode ser levado em um dos pontos de entrega voluntária, os PEV’S’. 

IMAGEM 2- PONTOS DE COLETA VOLUNTÁRIAS

São mais de 3 mil pontos espalhados pela capital. A medida não afeta diretamente o faturamento da empresa, mas cumpre um papel social importante. 

Para os resíduos automotivos, que não podem ser descartados em lixos comuns, uma saída é firmar convênios com a prefeitura. O executivo de cada cidade pode prover contêineres para descarte e trocá-los a cada semana, destinando o lixo para um local adequado. Os requisitos para fechar o acordo dependem de cada município.

A solução pode evitar punições a empresa por descarte irregular de lixo. As denúncias podem ser feitas por qualquer pessoa sob sigilo. Se comprovado, o crime ambiental é passível de multa de até 26 mil reais, de acordo com a lei 7.815/2009 e 8.206/2010.

Outra medida que pode ser adotada pela oficina é a venda de peças usadas.Apesar do baixo valor de retorno, o dinheiro arrecadado com as vendas pode ser revertido na empresa. 

Alguns produtos, como baterias automotivas, ganham desconto se junto com a compra for entregue a peça inoperante. Iniciativas como esta e outras semelhantes fazem parte da tentativa de reduzir danos ao meio ambiente por parte dos fabricantes. 

Os planos das oficinas para se adequar às propostas sustentáveis podem ser melhor efetuados se organizados e administrados. Planilhas com os fornecedores – sabendo se eles igualmente se adequam aos objetivos sustentáveis -, entrada de recursos pelas vendas e o destino dos materiais otimizam o processo.


Leia Mais
O que há por trás do Marea, o carro “bomba” da Fiat?