Messerschmitt KR175: Um dos carros mais estranhos do mundo

Se você assistiu Brazil – O Filme (1985), provavelmente se lembra do estranho veículo que protagonista Sam Lowry (Jonathan Pryce) dirigia. Apesar do visual peculiar, que combina com a temática do filme, o carro de fato existe e é um Messerschmitt KR175.

Assim como o Peel P50 (já falamos dele aqui), o KR175 também é um microcarro e foi o primeiro automóvel da alemã Messerschimitt – empresa especializada em aviões. Ele foi lançado em 1953 e foram produzidas 15000 unidades.

Messerschmitt KR175 vermelho

História

Tudo começou com o fim da segunda guerra mundial, a Messerschimitt foi proibida de produzir aviões, então voltaram a atenção para outros produtos. Inspirados pelas motocicletas para inválidos, os donos da empresa resolveram criar um veículo pequeno motorizado.

O KR175 foi o primeiro automóvel a ser desenvolvido pela Messerschimitt em sua fábrica, na cidade de Ratisbona. Ele foi desenhado pelo engenheiro aeronáutico, Fritz Fend, que também foi proibido de trabalhar com aviões.

O nome do veículo é a abreviação de KabinenRoller, que significa motocicleta com cabine em alemão. Logo no primeiro ano, o microcarro apresentou diversos problemas e sofreu mais de 70 modificações, entre fevereiro e junho do ano de seu lançamento. O excêntrico automóvel ficou no mercado por apenas dois anos e logo foi substituído pelo KR200, em 1955.

Características

Uma de suas particulares é a estrutura, com três rodas e fabricado com chapas de aço estampado, o carro possui apenas 220 kg. O tanque de combustível ficava sobre o  carburador, que é alimentado pela gravidade.

Outra característica curiosa do minicarro é a direção. Por ser inspirado em motos, o veículo não possuía um volante comum, mas sim um guidão. Com a velocidade máxima de 80 km/h, o carro possuía apenas 4 marchas e não tinha ré. Para dar a partida no veículo era necessário utilizar uma corda, mas algumas versões tinham partida elétrica.

Uma escotilha, feita em acrílico e vidro, era usada para entrar ou sair do KR175. O para-brisa era manual, igual muitos carros da época, e também tinha uma lona para cobrir a capota nos dias mais ensolarados.

Leia Mais
As inovações e o antissemitismo de Henry Ford